Menu Fechar

Guião de Educação para a Sustentabilidade – Carta da Terra

O guião de Educação para a Sustentabilidade resulta precisamente de um trabalho conjunto que nos foi proposto pela ASPEA – Associação Portuguesa de Educação Ambiental. A sua publicação associa-se aos trabalhos desenvolvidos pela Direcção-Geral de Inovação e desenvolvimento Curricular no âmbito da Década das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável que decorre até 2010.

Esta proposta de trabalho tem como ponto de partida A Carta da Terra – Valores e Princípios para um Futuro Sustentável. Este instrumento, que se apresenta como uma declaração de princípios fundamentais para a construção de uma sociedade, à escala global, assente nos princípios da justiça, sustentabilidade e paz, está precisamente a ser divulgado e operacionalizado no contexto da celebração da Década acima mencionada. O guião, traduzido e adaptado de um guião produzido pelo Secretariado da Iniciativa da Carta da Terra, orienta o docente na exploração de temas associados ao respeito pela comunidade da vida, à justiça social e económica, à democracia, não violência e paz.

A oportunidade desta publicação ultrapassa, contudo, a mera inclusão temporal na celebração da Década para o Desenvolvimento Sustentável, resulta, sobretudo, da importância do tema para educação das nossas crianças e jovens e genericamente das nossas famílias. Sabemos, por experiência adquirida, o papel que aqueles têm desempenhado como multiplicadores de novas competências que apelam para uma cidadania responsável junto das suas famílias. Por essa razão, consideramos que a Escola, entre outros actores institucionais, tem um papel de formação inestimável que deve ser exercido e aproveitado em amplos domínios que não apenas os dos saberes formais e curriculares.

A formação de cidadãos activos e responsáveis é um desígnio de todos. O que amplamente se verifica é um afastamento progressivo das esferas que apelam à participação e à responsabilidade de todos na comunidade, no que poderíamos apelidar por privatização progressiva das nossas vidas. A Educação para a Cidadania nas nossas Escolas é um dos espaços onde se deve trabalhar para travar este movimento.